2 de fev de 2014

Salve a arte urbana!

Dormi bem de sábado pra domingo, na esperança de sair pra pintar de madrugada mesmo, caso acordasse. Às 5:20h levantei, ainda sonolento. Já tinha todo o material separado, mas diminuí a quantidade de latas de 15 pra 5. Tomei um café rápido e saí de casa às 5:55, com uma mochila, uma escada e um balde de látex vermelho quase acabando. Atravessei 8 quarteirões (ou 1,4 km) em menos de 15 minutos, andando o tempo todo pela Barata Ribeiro e finalmente, entrando na Nossa Senhora de Copa pela Santa Clara, quando pude ver aquele colorido inspirador do Sol nascendo na praia.

Já no pico, encostei a escada e a mochila num canto e fotografei a parede. Numa questão de segundos, senti que era observado. Fingi que não era comigo (rs...), mas já me preocupava com qual desculpa daria pra iniciar a pintura. Por acaso, tinha algumas fotos de um graff recente de Ipanema e imediatamente mostrei ao segurança, avisando que eu iria fazer uma arte ali. Com um sinal de ok, parti com tudo e acho que, meio emocionado, peguei apenas os primeiros 15 segundos da ação- o tempo de subir os 5 degraus da escada com o balde na mão - que só fui descobrir depois do látex lançado....



Fiz a primeira marcação com azul escuro, corrigi os erros com latéx e praticamente redesenhei tudo do zero com outra cor. Por volta de 7:20, a arte já tinha uma cara, mas precisava de mais cores. Guardei a escada no prédio vizinho e fui em casa buscar mais latas, aproveitando pra tomar um café da manhã decente. Voltei com mais uma bolsa de lona, totalizando umas 15/16 latas/cores diferentes. Por volta de 9h, lancei um prata em volta da arte e depois, me dediquei a colorir os inúmeros círculos da arte enquanto centenas de pessoas passavam pela Nossa Senhora de Copa. Uma senhora me perguntou como eu conseguia fazer círculos tão perfeitos e acabou testando o spray pela primeira vez na vida, num canto da arte.

19 cores

Au revoir, Rio!
Fernanda e "O guapuruvu" sobre canvas

Outra me perguntou quem bancava todas aquelas latas e acabou conhecendo o “Guapuruvu” que foi pra Paris “in canvas”. Tirei foto com  turistas brasileiros e vi muitos flashes pipocando atrás de mim, acompanhandos dos mais variados sotaques. Conheci uma jovem francesa que já estava no Rio há 6 meses e morando em Copacabana, já conheci minha arte. Até dos ônibus que paravam ali perto, eu ouvia elogios. O mais engraçado é que não havia assinado, mas ouvi PXE da boca de 2 pessoas diferentes: uma amiga fotógrafa passeando com a família e um senhor de Copa (que me conheceu durante a realização da última arte), se declarou fã e ainda fez questão de rasgar o pequeno cartaz (Só Jesus expulsa...) que enfeiava a cena.

O reflexo da arte impressionava mais ainda

Enfim, tudo corria perfeitamente bem, até o aparecimento de uma menina que se dizia síndica e perguntava quem tinha autorizado aquela pichação no prédio de sua família. Enquanto isso, um rapaz que estava com ela, fotograva a arte...rs. Perguntei pra ela se aquilo era uma pichação mesmo e ela me respondeu “desenho”. (Foi aí que reparei o plástico filme no braço direito, provavelmente, uma nova tattoo. Por alguns segundos, me perguntei se ela sabia porque tinha uma tattoo no braço, se ela era verdadeira apreciadora da arte.) Voltando ao bafafá, falei com todas as letras que não tinha autorização, mas que tinha ouvido centenas de elogios, etc e ela era a única pessoa que não havia curtido. Prometi cobrir a arte com latéx e ouvi um “é isso que eu quero”, pois ela iria “alugar”a parede. Depois dessa, ela sumiu. Aproveitei pra assinar a arte, arrumei as coisas e ao sair, fui parado por 2 seguranças que surgiram do nada, mas nem tocaram em mim, pois avisei que iria resolver a questão na segunda, comprando um balde de látex e um corante. Ainda aproveitei pra deixar um recado pra "dona do prédio" tirar aquela tattoo do braço, pois ela provavelmente nem sabia porque estava usando...

Saí meio revoltado, mas rindo de tudo ao mesmo tempo. Gastei muita tinta, como sempre do meu bolso, e não completei a missão. Frustrante, mas...A recepção da notícia em casa também não foi das melhores.

Na praia, encontrei uns amigos do skateboard e trocando idéia, outro brother que nem conhecia, tocou no assunto do graff, também revoltado com a possibilidade de ver a arte ser apagada. Contei a história toda e foi aí que meu brother Maurício levantou a seguinte questão...

Por que o HSBC não aluga essa parede e salva essa arte?


E antes de partir pro latéx, resolvi dividir essa história com o resto do mundo, na esperança de salvar a arte. E acredite, você também pode ajudar, compartilhando esta história ou o álbum desta arte nas redes sociais com a tag #salveaarteurbana direcionada ao Banco HSBC. Se preferir, tire uma foto sua e publique com esta tag e não se esqueça de direcionar pra mim!

meu instagram/twitter: (@marciopxe)
twitter: @HSBC_Atende
facebook: facebook.com/HSBCBrasil

Dependendo do que acontecer, volto à parede pra finalizar a arte em vez de apagá-la pra sempre.

O guapuruvu by PXE feat. Lloyd Cole

Enquanto isso, baixe "O guapuruvu" em A4 (21x29,7cm) e divirta-se!


Pra fechar esse post, não podia esquecer do Street Art Jam Session - Surfrider Foundation Brasil, evento irado que participei na semana passada e como o próprio nome já diz, foi uma street art jam com nomes de peso da street art carioca em prol da Surfrider Foundation, uma das ongs mais importantes na lutas pelos oceanos e praias.


Idealizado pela Montebelo, a SAJS teve sua primeira edição realizada em Paris no ano passado e no Rio, contou com apoio da Conexão Cultural e ainda teve a participação do pessoal da Rocinha Surfe Escola. Num domingão clássico de sol, no Pontão do Leblon, pico de direitas cabulosas, eu e outros 5 artistas - Rafo Castro, Cela Luz, Marcelo Ment, Bruno Big e o "wildcard" Pedro PNG - fizemos intervenções com as maravilhosas canetas Posca, sobre fotos de surf impressas e montadas em telas. Infelizmente, nosso brother ACME não pôde comparecer. Em breve, todos os quadros das 2 edições serão expostos numa loja Osklen (em algum lugar da Zona Sul que não lembro agora) e serão levadas em seguida pra Viena e Berlim, onde acontecerão as próximas edições.



Street Art Jam_Surfider Foundation na Revista Surfar

 Street Art Jam_Surfrider Foundation no Waves

Clique na imagem abaixo para ver o vídeo do evento, filmado pela Manoela 
(de apenas 10 anos), irmã de PNG!

Agradecimentos:

Seguranças do HSBC Nossa Senhora 591, Sr. Adriano e o porteiro da manhã, Beatriz Martins, Virgínia, Maurício de Martino, Copacabana Art Lovers, Lloyd Cole, Fernanda Hinke, Raíssa Couto, Manuela Colombo, Demian Smith, ACME, Rafo Castro, Ment, Bruno Big, Cela Luz, Pedro PNG + Manoela, Bocão + Rocinha Surfe Escola e João Cezimbra.

Nenhum comentário: